A startup financeira Nubank passou por momentos tensos nessa semana. O motivo é que uma das novas medidas anunciadas pelo Banco Central atingia diretamente as operadoras de cartões de crédito.

A mudança afeta o prazo de pagamento feito aos lojistas pelas operadoras de cartões. Anunciada hoje (20/12) a regra agora seria pagar as lojas no prazo de dois dias ao invés de 30 dias.

Isso, em tese, aqueceria a economia, mas há controvérsia. Os bancos e operadoras reclamaram que isso elevaria os custos, pois os clientes tem até 40 dias para pagar a fatura sem nenhum juro. E isso posto na ponta do lápis significa ter que aumentar encargos do consumidor. E provavelmente isso seria feito via anuidade.

Se a medida fosse aprovada, a Nubank não teria caixa suficiente para realizar os pagamentos. Somente operadoras grandes e cartões com bandeira de bancos poderiam financiar os pagamentos imediatos.

A Nubank não tem banco associado e não cobra anuidade de seus clientes. A receita vem de um percentual descontado do valor repassado ao lojista, que é cerca de 5% do total. Mesmo assim, apenas cerca de 1,5% fica com a Nubank. O restante fica para a adquirente, como Cielo, Rede, GetNet e também para a bandeira, como Mastercard e Visa.

Agora, em vez de reduzir radicalmente o prazo, o Banco Central vai trabalhar em conjunto com as instituições financeiras para definir regras que não prejudiquem a competitividade.

De qualquer forma, apesar da Nubank respirar aliviada novamente, melhor se previnir. Com a crise, mudanças podem ser anunciadas a qualquer momento novamente.